A constante necessidade de aperfeiçoamento dos processos produtivos, incluindo pressões por menores custos e prazos, requer que se tenha cada vez mais informação e conhecimento sobre tudo o que ocorre em uma planta industrial.
Neste contexto, é crescente a necessidade de sistemas que concentrem em Bancos de Dados Históricos os dados coletados de diversas fontes heterogêneas de informação, como Sistemas SCADA e PLC’s de diversos fabricantes diferentes, de forma a criar um repositório central que permita desenvolver inteligência sobre o processo.
Tais sistemas conhecidos como Historiadores de Processo ou PIMS (Plant Information Management Systems), permitem transformar dados brutos em inteligência do processo através de:

Eliminação de Ilhas de Informação.
Integração de sistemas como ERP, Supply-Chain, etc.. com o chão-de-fábrica.
Realização de Cálculos sobre os dados coletados.
Disseminação das informações para os colaboradores da empresa, que podem entre outras coisas, obter indicadores de performance ou eficiência, comparar lotes de produção, visualizar sinóticos de várias partes da planta simultaneamente, etc….

Os softwares PIMS permitem guardar dados analógicos, digitais, textos (strings) até outros tipos de dados como imagens e sons. O grande volume desses dados, aliados à necessidade de armazenamento por períodos longos (5 ou mais anos) e a necessidade de obter consultas rapidamente, representam um grande desafio para os softwares historiadores.
Para reproduzir com maior exatidão os dados originais, além de proporcionar uma boa velocidade de descompressão dos dados, os softwares PIMS exibem o conceito de “Banco de Dados Temporal”. Isso porque para cada amostra coletada devem ser processados o valor, timestamp (instante da coleta) e qualidade, que indica a confiabilidade do dado. Dessa forma o Banco de Dados é criado internamente de forma que facilite a busca de uma sequencia de valores da mesma variável.